domingo, 11 de abril de 2010

Rochas Ornamentais

1 - INTRODUÇÃO

As Rochas Ornamentais abrangem diversos tipos litológicos que podem ser extraídos em blocos ou placas e utilizados em formas variadas. Seus principais campos de aplicação incluem, principalmente, as edificações da construção civil, com destaque para os revestimentos internos e externos de paredes, pisos colunas, soleiras, arte funerária, entre outros.

Sendo assim, a finalidade para postar sobre este assunto, além de saber o que são as rochas ornamentais, inclui também os tipos de rochas ornamentais e a utilização de cada uma.


2 - ROCHAS ORNAMENTAIS

São Rochas que possuem determinadas propriedades para serem utilizadas como material para revestimento em diversas aplicações: pisos, paredes, bancadas, pias, balcões, mesas, etc. Para que uma rocha seja considerada ornamental, devem ser obedecidas duas exigências básicas:
- apresentar beleza estética (ornamental), um padrão contínuo, ou seja devem ser homogêneas (sem manchas ou buracos que ocorram de modo irregular);
- possuir características tecnológicas, índices físicos, índices de alterabilidade dentro dos padrões aceitáveis pelas normas técnicas.

3 - TIPOS DE ROCHAS ORNAMENTAIS

Os principais tipos de rochas utilizados como ornamentais são mármores (rochas metamórficas) e granitos (rocha plutônica). Esta classificação que predomina no mercado, é bastante genérica, e nem sempre corresponde à classificação correta da rocha. Atualmente no interior do Brasil, estão sendo explorados outros tipos de rochas, como quartzitos, ardósias (rochas metamórficas de origem sedimentar), basaltos (rocha vulcânica) e conglomerados (rochas sedimentares).

O termo Rocha Ornamental também engloba outros tipos de rochas, conhecidas genericamente no mercado como Pedras Naturais, nas quais estão incluídos: ardósias, quartzitos, arenitos, gnaisses e calcários, utilizados em placas rústicas, in natura não requerendo acabamento superficial para a aplicação em revestimento.


3.1 - Granitos

Para o setor de rochas ornamentais, o termo "granito" designa um amplo conjunto de rochas silicatadas, compostas predominantemente por quartzo e feldspato. Abrangem rochas homogêneas (granitos, sienitos, monzonitos, dioritos, charnoquitos, diabásios, basaltos, gabros, etc.) e as chamadas "movimentadas" (gnaisses e migmatitos), que são produzidas em blocos e utilizadas, principalmente, em placas e/ou ladrilhos polidos.

As cores das rochas são fundamentalmente determinadas pelos seus constituintes mineralógicos.

Os minerais formadores dos granitos (lato sensu) são definidos por associações variáveis de quartzo, feldspatos, micas, piroxênios e anfíbólios, com diversos minerais acessórios em proporções reduzidas. O quartzo normalmente é translúcido, incolor ou fumê; os feldspatos conferem a coloração avermelhada, rosada, branca, creme-acinzentada e amarelada nos granitos. A cor negra, variavelmente impregnada na matriz das rochas, é conferida por teores de mica (biotita), piroxênio e anfibólio, principalmente.

A resistência à abrasão dos granitos é geralmente proporcional à dureza e quantidade dos seus minerais constituintes. Entre os granitos, a resistência ao desgaste será, normalmente, tanto maior quanto maior for a quantidade de quartzo na rocha.


3.2 – Mámores

As rochas comercialmente designadas por mármores (lato sensu) englobam as rochas carbonatadas, incluindo calcários, dolomitos e seus correspondentes metamórficos (os mármores, propriamente ditos) que são produzidas em blocos e utilizadas, principalmente, em placas e/ou ladrilhos polidos, São rochas metamorfisadas de origem sedimentar, com pouco ou às vezes, sem nenhum teor de quartzo, o que as tornam mais “macias” em relação aos granitos e consequentemente, sofrem maior desgaste.

Os calcários são rochas sedimentares compostas principalmente de calcita (carbonato de cálcio), enquanto os dolomitos são rochas também sedimentares formadas sobretudo carbonato de cálcio e magnésio. Os mármores, propriamente ditos, resultam das modificações ocorridas em calcários e dolomitos e relacionadas à variações nas condições de pressão e temperatura, do ambiente geológico de origem - metarnorfismo.

Nos mármores, o padrão cromático é definido por minerais acessórios e ou impurezas, pois os constituintes principais (calcita e dolomita) são normalmente brancos. A dureza (resistência ao risco) é sensivelmente menor nos mármores do que nos granitos.

Para se distinguir um mármore de um granito, dois procedimentos simples são recomendados: os granitos não são riscados por canivetes, chaves ou pregos, à exemplo dos mármores - e estes mármores reagem ao ataque do ácido clorídrico ou muriático, efervescendo tanto mais intensamente quanto maior o seu teor em calcita.


3.3 – Conglomerados e Quartzitos


Conglomerados são rochas sedimentares clásticas, compostas de seixos de diferentes cores, tamanhos e composição, dispersos numa massa mais fina (matriz). Tais constituintes principais, referidos como seixos e matriz são compostos dos mais variados tipos de rochas e fragmentos de minerais. Os conglomerados que hoje em dia estão sendo bastante procurados e utilizados como rocha ornamental, geralmente acham-se afetados por processos metamórficos, o que confere maior coesão aos seus constituintes primários e permitem à rocha suportar todo o processo de beneficiamento.


Os quartzitos são rochas metamórficas originadas de arenitos (rochas sedimentares), têm uma estrutura mais coesa e resistente que estes últimos e são bastante utilizados em revestimento. São explorados de duas maneiras: na produção de blocos paralelepípedos de dimensões métricas que são transformados em placas e ou ladrilhos; ou obtidos pelo desplacamento da rocha em seus planos preferenciais de foliação ou acamadamento para a produção de placas e ladrilhos rústicos (não polidos), como no caso dos quartzitos flexíveis e finamente bandados.


3.4 – As pedras naturais


Esta denominação é empregada pelo mercado para as rochas geralmente utilizadas em placas e ou lajotas não polidas, como: ardósias, arenitos, calcários, gnaisses milonitizados e quartzitos foliados e utilizados in natura. A utilização destas rochas em revestimentos internos e externos só é possível pela facilidade que elas apresentam de separação das placas nos seus planos de fraqueza e foliação.


Ardósias são rochas metamórficas de baixo grau, pelíticas que têm a clivagem originada pela orientação planar preferencial de seus minerais placóides. Por causa disto partem-se segundo supefícies notavelmente planas. Compõem-se essencialmente de mica (muscovita-sericita), quartzo e clorita. São homogêneas, apresentam dureza baixa e podem ser encontradas nas cores cinza, preta, roxa e amarronzada.


Os arenitos são rochas sedimentares com estruturas estratificadas que podem permitir o desplacamento ao longo de suas camadas (geralmente sobrepostas e paralelas entre si) e conseqüentemente sua utilização em revestimentos. São rochas compostas essencialmente por quartzo geralmente, originadas do acumulo e consolidação de sedimentos de granulação areia: (0,02 a 2,0 mm). Em razão de sua gênese, os arenitos são normalmente porosos e sua composição quartzosa lhes confere alta resistência ao risco e ao desgaste abrasivo .


Os gnaisses milonitizados utilizados em placas são rochas metamórficas com bom desplacamento ao longo dos planos de foliaçâo e direção de milonitização, que são exploradas in natura.


Os quartzitos utilizados in natura são rochas metamórficas incipientes, originárias de arenitos que apresentam facilidades de desplacamento ao longo de estruturas acamadadas de origem sedimentar. São utilizadas em placas e lajotas sem polimento, apresentando cores variadas.


As características ornamentais das rochas são específicas para cada tipo, pois cada tipo possui composição mineralógica diferentes e cada mineral por sua vez, possui composição química e estrutura cristalina particular. Portanto, se cada tipo de rocha for composta por minerais diferentes, sua caracterização e por conseqüência sua utilização deverá ser própria para cada tipo de material.


4 - PLACAS


4.1 - Tipos de Placas


As operações realizadas nas marmorarias estão destinadas ao acabamento do material serrado, com o objetivo de obter aspecto e forma exigidos para a utilização final.


Esta seqüência de operações é realizada em grande parte da produção de placas brutas, visando a obtenção de produtos acabados para uso em revestimento na construção civil. No entanto, uma parte da produção de placas é submetida a tratamento mais rústico, exigido para utilizações específicas de acordo com o requerido pelos consumidores, obtêm-se assim diferentes tipos de placas de acordo com o tipo de acabamento:


- Serrada Simples: Placa simples com sinais de serra resultantes das operações de desdobramento do bloco, efetuada no tear, sem qualquer outro trabalho de beneficiamento.

- Serrada Retificada: Placa plana e áspera, sem sinais de serra, obtida com a operação de retificação ou levigamento utilizando máquinas polietrizes com abrasivos nº 0 e nº 1.
- Apicoada: Superfície obtida quando, sobre uma face da placa retificada, executa-se o tratamento com pícola (várias pontas metálicas finas). As placas apicoadas normalmente apresentam uma cor homogênea e clara, pois durante o trabalho, processa-se o esmagamento de cristais, fazendo com que a rocha adquira uma cor correspondente ao seu traço.
- Levigada ou desengrossada: Aplainamento da superfície das placas é executado com a utilização de polietrizes que utilizam abrasivos grossos .
- Polida: A partir da placa já levigada (plana), a operação de polimento é realizada com a utilização de polietrizes com abrasivos sucessivamente mais finos. As seqüências são: nos 0, 1, 2, 3, 4, 5, 6, e 7

5 – CUIDADO COM AS PLACAS


As rochas de um modo geral, são muito sensíveis ao contato com substâncias de cores escuras, como tintas, graxas, ferro (ferrugem), pois são materiais porosos e absorvem estas substâncias facilmente. As rochas claras, como os granitos brancos e principalmente os mármores de cores claras estão mais sujeitas ao manchamento (por serem claras). Por isto deve-se tomar todo o cuidado durante o transporte, manuseio, e principalmente no armazenamento da placa. Principais cuidados com as placas :

· - Armazenar placas de cores claras em cavaletes de madeira ou concreto em áreas cobertas, de modo que não tenham contato com água. No caso de cavalete de Ferro, deve-se proteger as placas do contato com a superfície de ferro do cavalete, utilizando madeira, papelão ou borracha (sem tinta).
· - Evitar batidas, pancadas ou choques das placas nas bancadas, nos carrinhos ou nos cavaletes durante o transporte e movimentação. Cada rocha possui um determinado limite de resistência ao impacto, passando-se deste limite ela quebra e os danos são irreversíveis, gerando um elevado custo e atraso na produção.

5. 1 – Movimentação e estocagem de placa polida

As peças de rochas ornamentais, após o polimento, devem receber um tratamento cuidadoso. Sua movimentação e estocagem ainda na marmoraria requer cuidados especiais, de extrema importância para a qualidade final do produto. Quando as peças chegam à obra, devem ser tomadas providências para que a sua movimentação e estocagem no canteiro da obra ocorram de modo a não expô-las a riscos de quebras e agressões externas.


É importante que as placas de rochas, primordialmente, quando transportadas, estejam apropriadamente embaladas. Quando da impossibilidade disto ocorrer, recomenda-se os seguintes cuidados:

- As peças, durante o transporte para o canteiro da obra, devem ser mantidas na posição vertical;
- As peças não devem estar em contato, em qualquer de suas extremidades, verso ou anverso, com água ou umidade, ou qualquer tipo de substância agressiva, até o momento do assentamento;
- As placas devem ser armazenadas verticalmente (figura 1), com duas ou mais tiras de espaçadores. Quando houver impossibilidade de utilização destas tiras, deve-se evitar de algum modo o acúmulo de poeira sobre e entre as partes polidas das placas de rochas;
- Sugere-se que o ambiente de estocagem das placas, seja de acesso restrito e controlado, tendo-se em vista a integridade e a preservação das peças, bem como sua segurança;
- Sugere-se também que as peças sejam colocadas em local elevado em relação ao solo; e apoiadas sobre uma base ou lastro de madeira inerte (Pinus), para evitar infiltrações nas placas e a liberação de pigmentos, que manchem as peças;
- As peças de dimensões maiores, quando houver impossibilidade de estarem embaladas, devem ser armazenadas em cavaletes, feitos com madeira inerte ou envolvidos por materiais plásticos (figura abaixo);
- Não é recomendada a estocagem das peças de rochas ornamentais, horizontalmente em pilhas altas, que não tenham estabilidade ou possam provocar empenamentos nas placas,
- Placas especiais (pouco espessas, com rasgos, furos, etc.), mais frágeis e delicadas, requerem cuidados adicionais para o seu armazenamento e manuseio. Neste caso, as peças devem ser embaladas individualmente e as áreas rasgadas ou perfuradas, devem ser protegidas internamente com materiais semiflexíveis (isopor, poliuretano expandido, polipropileno, ou similares).

6 - CARACTERÍSTICAS TECNOLÓGICAS

Os avanços tecnológicos, observados nos processos de assentamento, permitiram o aproveitamento e o emprego de rochas anteriormente não comercializadas, enquanto que as novas utilizações, demandadas pelo mercado, viabilizaram soluções estéticas e funcionais muito interessantes e confiáveis na construção civil.
As rochas ornamentais e de revestimento, quando em uso, são submetidas às mais variadas solicitações (naturais e artificiais) que provocam desgaste, perda de resistência mecânica, fissuração, manchamento, eflorescência de sais e mudanças de coloração.
A melhor maneira, preventiva, de evitar-se problemas na utilização da rochas ornamentais, é a sua correta especificação diante dos usos pretendidos, observando-se o efeito estético desejado, porém respeitando-se as características tecnológicas dos materiais e sua adequação às condições ambientais.
A caracterização das rochas deve ser realizada logo na etapa de pesquisa do jazimento e nessa fase já se deve ter conhecimento dos tipos de aplicações pretendidos. Muitos insucessos tem ocorrido no emprego das rochas ornamentais, não só devido à falta de conhecimento das características naturais e intrínsecas que o material traz, como também, daquelas induzidas pelos métodos de lavra, beneficiamento e aplicação empregados, que podem, em última análise, provocar alterações no comportamento natural das rochas e consequentemente nas suas propriedades.
Enfim, conhecendo-se as condições ambientais às quais os revestimentos e os produtos estarão submetidos, e as respostas das rochas aos ensaios técnicos normalmente efetuados, pode-se, através análises conjuntas, reunir valiosos subsídios para a seleção daquelas que melhor se adeqüem aos requisitos do projeto pretendido.
As características tecnológicas das rochas, bem como a previsão do seu desempenho em serviço, são obtidas através de análises e ensaios, executados segundo procedimentos rigorosos, normalizados por entidades nacionais - Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT, ou estrangeiras - American Society for Testing and Materials - ASTM, Deutsch Institut für Normung - DIN, Association Française de Normalization - AFNOR, Enti Nazionali in Unificazion Normazione di Italia - UNI, Associación Española de Normalización y Certifícación - AENOR, entre outras.
Os ensaios mais importantes designados como "índices de qualidade" são: análise petrográfica; índices fisicos (porosidade, absorção d'água e densidade)- desgaste abrasivo Amsler; dilatação térmica linear; resistência à tração na flexão; resistência à compressão e após gelo e degelo.
A partir dos resultados desses ensaios, podem ser definidas as possibilidades de utilização das rochas para diferentes ambientes e finalidade. Tais possibilidades incluem o uso em revestimentos de pisos, fachadas, bancadas, pias, colunas, arte funerária, e muitos outros. É de extrema importância que sejam feitos caracterização física, análise petrográfica e ensaios tecnológicos nas rochas que estão sendo comercializadas e utilizadas. As rochas, apesar de apresentarem colorações semelhantes, podem possuir composição mineralógica bastante diversa. Estas análises permitirão uma margem de segurança durante as especificações das rochas para suas utilizações.

7 - CONCLUSÃO

As rochas ornamentais são materiais nobres, tipificadas por uma longa lista de características que valorizam seu uso. Entre outros, destacando-se: o efeito estético, a durabilidade, a resistência mecânica, e a flexibilidade no uso, permitindo assim a obtenção de peças de grande durabilidade e facilidade de conservação, com formatos e dimensões variáveis em projetos arquitetônicos.

Normalmente as rochas ornamentais são materiais adequados para projetos de urbanização, arte funerária e edificações ou residências, sendo a infinidade de usos e características seu ponto marcante, fato este que confere uma personalidade única a cada peça ou conjunto de peças utilizada. O possível emprego destes materiais e os locais de sua aplicação são tão diversos como suas cores. A seguir, citamos algumas aplicações mais comuns:

• Revestimento de Pisos;
• Revestimento de Escadas;
• Revestimento de
Paredes;
• Revestimento de Fachadas;
• Bancadas de Pias e Lavatórios;
• Móveis e Tampos;

• Peças de Decoração;
• Colunas Maciças;
• Arte
Funerária.

Fonte: SENAI.DN. Cartilha de aplicação de rochas ornamentais. Brasília2000.v.1. 37p.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário